Diferença entre Zircônia e Diamante

Qual é a Diferença entre Zircônia e Diamante?

Diferença entre Zircônia e Diamante: Chegou o momento de escolher a sua aliança ou anel. Seja para o casamento, para o noivado, para presente, o que importa será o ato da entrega da joia. Mas fica a dúvida: qual a pedra (gema) escolher. No mercado nacional os mais queridinhos são o diamante e a zircônia. Porém existem diferenças entre essas pedras e é sobre essas diferenças que iremos tratar nesse artigo.

Embora sejam muito parecidas, saber a diferença entre cada uma é fundamental para fazer a escolha certa.

No entanto, utilizar os termos diamantes e brilhantes para representar a mesa coisa pode, em muitos casos, não ser adequado. Isso porque todo brilhante é um diamante, porém, nem todo diamante é um brilhante.

O Diamante é uma pedra natural de origem mineral, extraída do carbono. Além de ser um mineral precioso, é o mais resistente que existe, podendo ser lapidado de várias formas, a mais conhecida é a lapidação brilhante.

Já quando falamos na zircônia, estamos falando de uma pedra artificial considera a imitação mais perfeita do diamante. É produzida em laboratório e cristalizada no sistema cúbico.

A zircônia também é usada para imitar outras gemas como, a ametista, safira azul, rubi, esmeralda, turmalina, entre outras.

QUE TAL 5% DE DESCONTO? Cadastre-se e receba o cupom no seu e-mail!

Vamos ver mais diferenças

O que é a zircônia cúbica?

A zircônia é a forma cúbica cristalina do dióxido de zircônio (ZrO2), sendo um mineral sintetizado para ser uma alternativa ao diamante. É uma pedra com brilho bastante elevado e clareza semelhante a um diamante, porém produzida de forma artificial. Por isso, em geral ela é incolor e sem defeitos. Mas, ela pode ser produzida em cores variadas.

Esse mineral sintético, é uma alternativa acessível aos diamantes. Por esse motivo, acaba sendo muito utilizado em joias e anéis de casamento, pois tem muita semelhança com o diamante.

A zircônia cubica foi desenvolvida em laboratório em 1976.

É relativamente dura, embora não tanto quanto o diamante. Possui 8.5 da escala de dureza Mohs. Tem densidade entre 5.5 e 5.9, ou seja, a zircônia é mais pesada que o diamante. Por ser sintético, é produzido quase sem defeitos.

O que é o diamante?

Diamante é puro carbono, sendo assim, é um mineral natural, um alótropo de carbono. Chique né. Os diamantes, em geral, têm um tom amarelo ou marrom, devido ao nitrogênio encontrado neles, sendo os diamantes incolores são muito raros.

A formação desse mineral acontece a partir de atividades que envolvem temperaturas e pressões altíssimas, como erupções vulcânicas e movimentos de placas tectônicas.

A estimativa é que os primeiros diamantes da Terra se formaram há mais de 2 bilhões de anos. Por isso sua raridade o torna muito cobiçado para a confecção de joias.

Essas pedras preciosas são classificadas pela escala D-Z, onde o D representa os diamantes incolores e mais valiosos.

São muito duros, sendo 10 na escala Mohs – a escala Mohs quantifica a dureza dos minerais, isto é, a resistência que um determinado mineral oferece ao risco, sendo o valor de dureza 1 menos duro da escala e o valor 10, sendo a substância mais dura conhecida na natureza. Tem sua densidade entre 3.5 a 3.53, sendo mais leve que a zircônia. Sendo uma pedra natural, possui vários defeitos.

São abrasivos e podem ser arranhados apenas por outros diamantes. Por isso, a pedra também costuma ser usada para polir, cortar ou desgastar qualquer material.

Sobre a dispersão e refração

Os índices de dispersão e refração de uma pedra preciosa, tais como o diamante e a zircônia cúbica, afetam a forma como a luza passa e reflete nela.

Vamos lá: a dispersão ocorre quando a luz passar através de uma pedra preciosa e é dispersa, contribuindo para o brilho da pedra. Agora já o índice de refração é o ângulo em que a luz se curva quando passar por uma pedra preciosa.

A zircônia cúbica possui um maior índice de dispersão. Por isso, irá refletir mais luz do que um diamante. Por outra ótica, ela possui um índice de refração mais baixo. Essa é a razão de possuir um brilho menos profundo.

Grande parte das pessoas não consegue distinguir entre a zircônia e o diamante apenas pela visão. Porém, as pedras de zircônia de quilates maiores irão brilhar mais fácil do que um diamante grande, mas, não possuem a profundidade cativante que um diamante exibe.

Então temos: quanto maior o quilate dessas pedras, mais fácil será para identificar as diferenças. Em pedras pequenas (0.9 e 1mm) será difícil diferenciar um diamante de uma zircônia quando cravados em uma aliança.

A durabilidade

O diamante, como já mencionamos ali em cima, é o material mais duro já encontrado pelo homem na natureza. Essa característica está, inclusive, marcada no nome: a palavra tem origem de adamas, que em grego significa indestrutível.

Por possuir o grau máximo na escala Mohs, ele só pode ser arranhando por outro diamante.

Também já vimos que a zircônia cúbica possui 8,5 Mohs. Dessa maneira, por não possuir a mesma durabilidade, a pedra acumula riscos conforme o passar do tempo e com o uso. Embora os riscos sejam normais, eles vão deixando a peça com um brilho mais apagado.

Mesmo que muitíssimo parecidas no visual, a origem e as características da zircônia a tornam um material bastante inferior ao diamante. É o que veremos a seguir.

O que é a Escala de Mohs
Escala de Mohs

O valor do quilate da zircônia e do diamante

Aqui teremos a maior diferença, a que é de fácil percepção: o preço de cada pedra.

O diamante é um mineral natural muito raro de ser encontrado na natureza e, por consequência, isso reflete no seu valor. Um diamante de um quilate pode ser encontrado por cerca de R$ 4.500,00.

Já um quilate de uma zircônia pode custar cerca de R$ 60,00.

Vamos além.

Quando falamos de muitos quilates, a diferença fica maior. Um diamante de dois quilates é vendido por cerca de R$ 15 mil a R$ 21 mil. Já uma zircônia cúbica de dois quilates pode ser vendida por cerca de R$ 90,00.

Defeitos na zircônia cúbica e no diamante

Por tratar-se de um mineral natural, ou seja, encontrado na natureza, quase todos os diamantes possuem algum tipo de defeito. Um diamante impecável, sem nenhum defeito é muito raro e, em razão disso, muitíssimo valioso.

Quando falamos da zircônia cúbica, as chances de se encontrar um defeito é baixa, quase nula, pois estamos falando de um produto sintético.

As diferenças entre as gemas sem falhas e gemas com pequenos defeitos, tais como inclusões, quase não podem ser vistas a olho nu. Mas, esse é um dos quesitos que os joalheiros utilizam para identificar pedras de zircônia cúbica e diamantes.

Como cuidar de pedras preciosas

Uma manutenção adequada das pedras pode aumentar ainda mais sua durabilidade, para manter o brilho das pedras não se pode lavar com detergentes não neutros e essas devem ficar em temperatura ambiente e longe do calor, a fim de que as pedras não dilatem.

Para lavar, utilize apenas detergentes neutros, se necessitar esfregar procure utilizar uma escovinha muito macia, pois isso ajuda a retirar o pó da sua joia e da sua pedra. A amônia também pode ajudar a manter as peças sempre limpas e com um brilho natural.

Limpar as pedras com uma toalha pequena, bem fina e seca. Faça esse procedimento devagar, para poder secar de maneira correta e não prejudicar a sua coloração. Solicite, se necessário, informações ao fabricante, caso possua dúvidas sobre a manutenção da sua joia. Se necessária, faça uso da garantia (não se esqueça de pedi-la).

E agora: diamante ou zircônia?

Chegamos no momento decisivo: qual comprar?

Bem, vamos tentar te ajudar nisso, mas é preciso que você tenha em mente que, independente da sua escolha, faça isso com carinho e depositando amor na joia adquirida.

Se o orçamenta está bastante apertado, é simples, opte pela zircônia. Já apontamos aqui que essa é uma pedra sintética, mas muito parecida, guardada as devidas diferenças, como diamante.

Sua durabilidade não é tão longa, apesar de possuir uma dureza alta. Então se o seu intuito é ter uma joia que dure muitas e muitas gerações, com uma pedra que não acumule riscos e com isso perca o brilho, se essa for a sua intenção, não recomendamos a zircônia.

O diamante, em razão da sua altíssima durabilidade pode sim ser uma joia, que irá passar de geração em geração. Por conta de sua resistência contra riscos, a pedra não fica opaca com o decorrer do tempo. Seu brilho se mantém quase inalterado, aqui também se bem cuidada.

Mas aqui temos outro ponto: sabemos que o diamante possui um custo bem elevado.

Então, cabe a você entender a sua necessidade, o seu momento e após realizar a sua escolha, ser feliz com ela!

1 Comment

  1. […] solitário 6 garras – Esse é para quem gosta de detalhes que fazem a diferença. Com uma zircônia no seu centro, envolvida por seis garras em ouro amarelo, o anel é perfeito para você compor o seu […]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *